• Núcleo de Santana – PETAR – Iporanga – SP
  • Núcleo de Santana – PETAR – Iporanga – SP
  • Núcleo de Santana – PETAR – Iporanga – SP

Núcleo de Santana – PETAR – Iporanga – SP

Núcleo de Santana – PETAR (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira)

É o principal Núcleo de Visitação do PETAR. Está localizado no município de Iporanga e próximo à comunidade do Bairro da Serra (onde eu moro).

É o que atrai a maioria dos turistas que vem conhecer o PETAR e tem os principais atrativos do parque. São eles: Cavernas de Santana, Morro Preto, Couto, Água Suja, Cafezal, Cachoeira das Andorinhas, Betarizinho, Couto, Piscina Natural; Mirante da Santana, Trilha do Betari e o Centro de Interação Ambiental.

Para entrar no núcleo paga-se o ingresso de R$ 9,00 por pessoa e taxa de R$ 6,00 por veículo. Em todo o parque não é aceito nenhum tipo de cartão, cheques ou outra moeda que não seja o Real. Estudantes possuem 50% de desconto no ingresso e menores de 12 anos, acima de 60 anos tem isenção no valor do ingresso (base ano de 2014)

Para visitar o núcleo é necessário e obrigatório estar acompanhado dum guia local (monitor ambiental). Também é obrigatório o uso de calça, tênis fechado e camiseta com manga média (blusinhas ou regatas não podem). Apenas a Cachoeira do Couto e a Piscina do Rio Betari que é possível visitar sem o acompanhamento do guia local. Mas são raríssimas as pessoas que vem aqui apenas para visitar esses atrativos. Todos querem conhecer as cavernas.

É o núcleo mais estruturado. Tem um Centro de Interação Ambiental bem legal. Com uma pequena exposição de objetos dos primeiros exploradores das cavernas, painéis explicativos sobre a flora e fauna da região. A única lanchonete está desativada. Portanto não  se esqueçam de levar da pousada ou de casa o lanche de trilha. Aliás, vocês sabem o que é um lanche de trilha? No final do post detalharei esse kit que substitui o nosso almoço nas explorações.

Em todos os atrativos há controle de capacidade de carga (número de turistas por dia). Portanto fique atento e procure chegar cedo ao parque para não deixar de visitar pelo menos algum deles. Obedeça as regras e caminhamento de cada atrativo. Dessa maneira permanecerão preservados.

Vamos às imagens de alguns atrativos:

Mirante da Santana

Observador de Aves no Mirante da Santana registrando a Araponga

Mirante da Santana

Assim que você entra no Núcleo de Santana está o Mirante. É um dos pontos mais legais do núcleo para a observação do Vale do Betari. A energia do local é especial. De setembro à fevereiro as árvores no entorno do mirante viram poleiro da Araponga – procnias nudicollis. Os observadores de aves dizem que é o melhor lugar do Brasil para observar essa espécie ameaçada de extinção.

Espeleotema Caverna de Santana

Espeleotema Caverna de Santana – imagem de Jurandir Aguiar dos Santos

Caverna de Santana

É a principal caverna e a que dá nome à esse núcleo de visitação. É hoje a maior caverna do Estado de SP com cerca de 8.373 m de extensão, mas apensa 800 metros são abertos à visitação (ainda está sendo mapeada pelo GPME – Grupo Pierre Martin de Espeleologia).

Nela estão os famosos “salões” ou galerias Ester, Vulcões, Discos, São Jorge, Flores e o Takeupa. Todos esses locais ainda estão restritos para visitação. Mas com a implantação do Plano de Manejo Espeleológico do PETAR ( previsto para meados de 2015) serão reabertos. Seguindo diversas regras e normas de visitação, é claro. Apenas o Salão Takeupa que não tem previsão de reabrir. Esse local é tão especial que o primeiro explorador ao encontra-lo não se conteve e soltou um “putaqueupariuuu!!!.

Saindo da Caverna de Santana podemos atravessar o Rio Betari e chegamos à Piscina Natural e à Cachoeira do Couto.

Cachoeira do Couto

Cachoeira do Couto

Próximo à cachoeira, seguindo a mesma trilha estão as Cavernas do Couto e Morro Preto. Dois grandes atrativos do parque. Não são tão longas e em 2,5 hs é possível conhecer as duas. A Caverna do Morro Preto fica no topo do morro. É uma das poucas cavernas da região com vestígios de povos primitivos.

Caverna do Morro Preto - mirante e contra luz

Caverna do Morro Preto – mirante e contra luz

Já na Couto o que chama a atenção é travessia que podemos fazer na montanha. A trilha para retornar é mais longa, mas o visual da segunda boca ou entrada compensa.

Sumidou da Caverna do Couto - Núcleo de Santana

Sumidouro da Caverna do Couto

Para aqueles que gostam de caminhar um pouco mais a Trilha do Betari é excelente. Tem cerca de 3,6 km de extensão (7,2 ida e volta), passa por duas belas cavernas (Água Suja e Cafezal) e termina nas duas principais cachoeiras do parque: Cachoeiras das Andorinhas e Betarizinho (também chamada por alguns de Beija Flor). Ela está no guia e Passaporte Trilhas de SP, promovido pela Secretaria de Meio Ambiente.

Ponte sobre o Rio Betari

Ponte sobre o Rio Betari

Trilha do Betari - foto jurandir

Trilha do Betari – imagem fantástica do meu amigo Jurandir Aguiar dos Santos

Caverna da Agua Suja

Caverna da Água Suja

Espeleotemas da Caverna Cafezal

Espeleotemas da Caverna Cafezal

cachoeira-andorinhas

Cachoeira das Andorinhas

Cachoeira do Betarizinho

Cachoeira do Betarizinho

Agora uma curiosidade: uma das primeiras pessoas a registrar a Cachoeira das Andorinhas foi o meu pai (ilustre Vandir de Andrade). Abaixo um retrato da época (autor desconhecido):

Vandir na Cachoeira das Andorinhas

Vandir na Cachoeira das Andorinhas

Encerrando, seguem dicas importantes para quem vier visitar o PETAR e o Núcleo de Santana:

  1. Saia preparado da pousada, camping ou de casa usando calça, tênis e camiseta com manga;
  2. Levar seu guia local ou monitor ambiental;
  3. Não se esquecer de levar, se for estudante ou acima de 60 anos comprovante escolar ou RG. Pergunte ao guia da “Ficha da Portaria”. Tente leva-la preenchida. Dessa maneira você não perde tempo preenchendo os dados na portaria;
  4. Leve dinheiro para pagar o ingresso e taxa do veículo;
  5. Leve o seu lanche de trilha; repelente; capa de chuva, protetor solar; máquina fotográfica; roupa de banho; medicamentos de uso controlado ou comuns (para dores de cabeça, por exemplo) e água.
  6. Ah, leve uma saco plástico para forrar o banco do seu carro. Todos retornam molhados e muitas vezes com lama.
  7. Respeite a decisão do guia ou dos funcionários do PETAR se eles disserem que a atividade deverá ser abortada. Em primeiro lugar a sua segurança. Depois o lazer e diversão.
  8. Em feriados ou finais de semana é comum haver muitos visitantes no núcleo e formarem filas já na portaria do parque ou para conhecer os atrativos. Dê preferência em visitar outros núcleos de visitação do PETAR em dias de pico.

Ah, faltou descrever o que é o Lanche de Trilha: é um kit composto por sanduíches, biscoito, chocolate, suco e fruta (basicamente isso). Substitui o nosso almoço. Já que não há lanchonetes pelo caminho e retornar à pousada para comer algo faria com que perdêssemos muito tempo. Ele surgiu na década de 90. Algumas agências de SP traziam colégios ao PETAR e tiveram que desenvolver algo padrão para os alunos poderem se alimentar durante o dia. Esse da imagem é o meu kit. Não critiquem. Eu como pouco. Também já enjoei de ‘choquito’ e ‘suquinho kapo’, mas após andar 10 km por dia isso vira um banquete!

Kit Lanche de Trilha

Kit Lanche de Trilha

Chega de escrever. Quem quiser conhecer mais tem que vir ao PETAR.

Quer trazer grupos? Tenho uma pousada e agência receptiva:

Pousada da Diva: www.pousadadiva.com.br

Parque Aventuras: www.parqueaventuras.com.br

Quer dicas de outras pousadas ou agências? Confiram mais no www.petaronline.com.br

Curtam nossa página no Facebook.

Inté!

Relacionados

2 Comentários

  1. Yara buss
    12 de Maio de 2014 at 20:58 - Reply

    OIeeeeeeeeeeeeeee, meu lindo. Adorei!!!!!!!!!!!! Como sempre, parabéns pelas fotos, a do Jura tbm, fantástica. Saudade. Ainda levarei meu filho e meu neto. Muitos beijos yarinha

  2. Patrícia
    16 de Março de 2017 at 21:41 - Reply

    Como faço para contratar um guia local, tem algum email, telefone ou site específico? Gostaria muito de conhecer a beleza de PETAR.
    Grata!!